Foi num daqueles domingos solarengos que estava a vaguear pelas folhas do caderno onde guardo as verdades cruéis que os meus artistas preferidos me disseram. Parei na verdade da Frida Kahlo: onde não puderes amar não te demores. E foi aí que me vi – eternamente nómada.

Sem comentários:

Enviar um comentário